Melhores Países para Viajar sendo Negro

Melhores Países para Viajar sendo Negro

Eu gostaria de não precisar escrever um post com o título de “melhores países para viajar sendo negro” gostaria de pode viajar tranquilamente, sem a preocupação que meus amigos brancos tem quando escolhem um destino novo para conhecer, mas como vocês já sabem eu sou uma viajante negra, num mundo bem racista.

Além de preocupações corriqueiras de uma viagem, nós turistas negros precisamos nos preocupar com o racismo, e isso pode ser bem pesado e estragar as férias, mas mesmo quando não é algo escanacarado, é no mínimo irritante ter que passar toda a viagem com pessoas encarando você como se você fosse um ET.

Durante as minhas viagens, tive boas e más experiências, já fui vítima de racismo e também já encontrei pessoas muito boas, e já tive o prazer de ver a minha pele negra ser celebrada em alguns países, embora isso ainda seja uma exceção.

Essa lista de melhores países para viajar sendo negro reflete apenas a minha experiência de mulher viajante e negra, não quer necessariamente dizer que os países que ficaram fora da minha lista são países racistas ou que eu não recomendo, que dizer apenas que esse países foram países onde viajei e foram muito mais tranquilos que eu imaginava ou que me surpreeenderam demais.

Melhores Países para Viajar sendo Negro

Inglaterra

Vou começar falando da minha atual casa, e especialmente de Londres que é a cidade mais multicultural que já conheci com gente de todos os cantos do mundo. Estima-se que 1 em cada 3 pessoas em Londres nasceu fora do Reino Unido.

Há uma grande presença de negros na Inglaterra, vale lembrar que no ápice do Império Britânico eles tinha 1/3 dos países do mundo, e isso incluia muitos países da África e do Caribe, e hoje em dia a gente vê muita pessoas negras e seus descendentes nas ruas de Londres.

Como o país está acostumado com essa multiculturalidade, ninguém simplesmente olha para a sua cara com olhar de espanto, londrino já viu gente de todas as cores e de todos os lugares, e no geral eles tem orgulho da cidade ser assim cosmopolita e ser uma segunda casa para povos do mundo inteiro.

Bulgária

Foi um país que me preocupou muito antes de viajar, tinha lido coisas horríveis sobre racismo na Bulgária, e iria sozinha para lá. Geralmente não tenho muitos problemas em países com forte presença de imigrantes, mas não é o caso da Bulgária que até o começo dos anos 90 era um país super fechado.

Melhores Países para Viajar sendo Negro

Eu voltei apaixonada por Sofia e pelos búlgaros que são extremamente hospitaleiros, contei sobre minha experiência como negra na Bulgária e como a viagem foi muito mais tranquila do que eu imaginava, sem muitos olhares estranhos e sem encaradas.

como é viajar sozinha para a turquia

Turquia

Eu já disse que Istambul é minha cidade favorita no mundo, e já fui muitas vezes a cidade. Já fui a Istambul em viagem de casal, já viajei sozinha, e com uma amiga, e foi viajando com uma amiga que eu tive a melhor das experiências na cidade.

mesquita azul

Eu viajei com uma amiga brasileira, que além de não ser negra, ela passava facilmente como turca. Estava claro olhando para mim que eu era turista, e numa cidade onde tradicionalmente comerciante isso é visto como dinheiro e fonte de negócios.

como é viajar sozinha para a turquia

Já escrevi sobre como é ser uma turista negra em Istambul, e sinceramente é um dos melhores países para viajar sendo negro, tudo bem que muitas vezes os locais tratam você super bem para que você compre ou consuma, mas por uma vez ser bajulado muda dos olhares e encaradas que podemos receber.

Foi também em Istambul que fui chamada de Beyoncé, Michelle Obama e pelo nome de mais uma dezena de negras famosas, não que eu pareça com alguma delas, mas é a referência deles em se tratando de mulher negra. Eu era a “exótica” e todo mundo queria falar comigo nas festas, e elogiavam meu cabelo.

negra em cuba

Cuba

Dos mais de 40 países que já visitei, Cuba é sem dúvida alguma ganha no quesito melhor país para viajar sendo negro, eu nunca me senti tão bem viajando para um país, além de toda a questão de representatividade e de eu poder me ver em boa parte da população, bem diferente das minhas viagens pela Europa.

Boa parte da população é negra, e muitas vezes fui confundida com cubana e eles adoravam o fato de eu ser negra, muitas vezes colocavam o braço junto do meu para dizer que tinhamos a mesma cor, aquela coisa de representatividade, pela primeira vez eles viam uma turista que era como eles e estavam muito feliz com isso.

Canadá

Foi a minha última viagem, e muita gente acompanhou meus posts nas redes sociais e recebi algumas perguntas como é ser negra no Canadá, e foi absolutamente tranquilo, eu estive em Montreal uma cidade cosmopolita e com presença de imigrantes, ainda que um pouco tímida ainda.

Nem sempre ser escolhido como um dos melhores países para viajar sendo negro quer dizer que vão fazer uma festa por você ser negro, muitos casos eu coloquei o país na lista apenas porquê a gente termina sendo mais um no meio da multidão, aquela coisa de ser invisível, sabe?

Acho que todo mundo sabe que o Canadá ultimamente virou referência em se tratando de diversidade, e vem dando o exemplo a muitos países. Eu andei pelas ruas de Montreal, e como em qualquer grande cidade cosmopolita eu era só mais uma, sem olhares, sem comentários ou qualquer coisa que me fizesse me sentir mal.

10 coisas para fazer em berlim

Alemanha

Vamos ser sinceros, a história recente da Alemanha é bem pesada, cheia de coisas negativas. Acho que poucas pessoas conseguem dissociar totalmente a Alemanha da imagem do nazismo, e tenho certeza que isso faz com que muitos viajantes negros tenham um certo receio em viajar para a Alemanha por medo de sofrer racismo.

Eu já fui muitas vezes para a Alemanha, já fui para Berlim, e outras cidades importantes como Bremen, Aachen, Hannover, Frankurt etc, e nunca tive problema algum, pelo contrário! Boa parte dos alemães sentem uma vergonha danada do passado deles, e fazem o possível hoje para não repetirem o erro do passado.

Claro que se você for para um vilarejo minúsculo no interior da Alemanha pode encontrar alguns olhares curiosos, afinal certamente há pessoas que nunca viram negros na vida, mas nas grandes cidades alemãs é bem tranquilo, inclusive a gente consegue ver negros e pessoas de outras etnias. Minha experiência como negra na Alemanha sempre foi bem positiva.

os japoneses são racistas

Japão

Acredite! Eu sei que tem uma grande história sobre os japoneses serem racistas e não gostarem de pessoas negras então quando eu fui para Tóquio eu fui morrendo de medo, mas a minha experiência no Japão foi incrível e voltei encantada pelo país e pela cultura e hoje acho que é um dos melhores países para viajar sendo negro.

Os japoneses não são necessariamente racistas, mas xenófobos. O Japão é um dos países menos diversos do mundo, certamente o menos diverso entre os países desenvolvidos, onde mais de 95% da população é japonesa e eles não são chegados a estrangeiros em geral, independente de você ser negro ou não.

hamarikyu gardens

Mas porquê eu sendo negra gostei do Japão? Os japoneses também são conhecidos pela educação e discrição, duas coisas que admiro muito, então em momento nenhum durante as minhas 2 semanas e meia eu fui olhada diferente, ou apontada como já me aconteceu em outros países.

Eu me lembro de ter visto uma meia dúzia de turistas negros durante duas semanas, mas em nenhum momento senti qualquer hostilidade da parte dos japoneses, eu pegava o metrô em Tóquio e eu era um pontinho preto dentro do metrô, mas as pessoas sequer me olhavam, foi muito bom ser invisível e poder viajar tranquilamente.

negra na coréia

Coréia do Sul

Seul foi a minha primeira viagem totalmente sozinha pela Ásia depois que mudei para Hong Kong. Eu estava um tanto apreensiva, afinal a Ásia não é conhecida por ser lá um dos melhores lugares para viajar sendo negro.

negra na coréia

Eu passei cinco dias em Seul, durante os quais eu só vi uma pessoa negra além de mim. Os coreanos no entanto são bem discretos, nada de olhares, ou coisa do tipo. Na Ásia, a Coréia e o Japão até o momento estão entre os melhores países para viajar sendo negro.

Um dia estava no metrô em Seul, e uma senhorinha falou algo comigo. Tirei os fones do ouvido e pedi para ela repetir “You are pretty” disse ela, com um sorriso cheio de ternura. Várias vezes as senhorinhas coreanas foram simpáticas comigo, fazendo minha experiência de viajante negra na Coréia muito mais agradável.

Planeje sua viagem e aproveite as ofertas dos nossos parceiros

Pesquisa de voos baratos: Pesquise e compare voos no JetRadar

As melhores ofertas de hotéis estão aqui: Booking.com

Se você prefere viajar de trem: Rail Europe

Aluguel de carro: As melhores tarifas para alugar um carro

Ônibus Turístico no mundo todo: Big Bus Tours

Reserve os ingressos para atrações e tours guiados: Ingressos corta fila para atrações no mundo todo

Prepare a sua viagem com os guias: Planeje já sua viagem!

Seguro de viagem, simples e flexível: Comprar, prolongar e requisitar online

A cada vez que você reserva pelo meu blog, eu ganho uma pequena comissão que ajuda a manter o blog, obrigada!

About The Author

Uma menina baiana morando em Hong Kong. Já chamou de casa cidades como Paris e Londres e hoje se aventura na Ásia. É viciada em viajar e ama Istambul de paixão!

Related posts

45 Comments

  1. Thami

    Amei seu blog e face de paixão e gostaria de saber seu ponto de vista com uma questão: sempre quando passeio por aqui no Brasil, em lugares mais caros, dificilmente vejo famílias negras, posso até ver uma mulher negra com um homem branco, parecendo que a mulher negra só é bem sucedida porque é casada com um branco (óbvio que não é necessariamente verdade), mas um casal negro com uma filha negra – como é o meu caso – dificilmente vejo.
    Então será que uma família negra brasileira seria bem recebida no Japão?
    Quero muito conhecer o Japão mas estou com medo de não ser bem tratada, de não conseguir ajuda pra conseguir me locomover lá, e etc.
    Dai surgiu minha dúvida: se o tratamento com uma mulher negra sozinha seria diferente do que com uma família negra?! O que vc acha?

    Reply
    1. Paula Augot

      Thami

      As vezes a gente só quer ver gente igual a gente, se sentir representado, né?

      Sobre o Japão, eu sinceramente acho que vcs não teriam problema, japoneses são MUITO educados e discretos, claro que eu não via negros na rua mas em nenhum momento os japoneses ficaram me olhando, me encarando ou coisa do tipo, me senti bem confortável. Teve um dia que fui passear com uma aiga e ela tb é negra e ainda assim nós duas negras de cabelo natural não senti nada de diferente, tenho certeza que vc vai gostar! <3

      Reply
  2. Márcia

    E a Grécia? Alguma informação! Sou uma negra bem tipo exportação!! Tenho receios .mas n quero ser refém..nem depender de outros pra viajar!

    Reply
  3. Ederson albieri

    Sou negro e gosto mesmo é de viajar para a Bahia (me sinto em casa), para a Africa (me sinto na casa de um parente), e moro no interior de São Paulo, onde me sinto um estrangeiro. .

    Reply
  4. Mia

    Ola Paula! Adorei encontrar o seu blog e principalmente seu post!

    Você já viajou para Polônia? Conhece algum(a) negro(a) que já foi lá?

    Eu quero muito viajar para lá (quero rever um grande amigo que mora la), mas ele já me alertou que os poloneses são bem xenófobos e racistas. Não que eles vão me bater, mas os comentários, olhares poderão ser intensos. Mesmo sendo em Varsóvia, cidade mais cosmopolita do país.

    Reply
    1. Paula Augot

      Mia,

      Eu fui pra três cidades diferentes na Polônia, e em Cracóvia eu até me surpreendi com a simpatia deles! Em Varsóvia eu não posso dizer que foi 0 olhares, mas foi bem tranquilo, nada demais! É bem verdade que os poloneses não são conhecidos por ser o povo mais aberto do mundo, e tem cada político super xenófobo, mas a cidade é linda e barata, vale muito a pena ir!

      boa viagem!

      Reply
    1. Paula Augot

      Lucas

      Fui muitas vezes, no geral não tive problemas. Já aconteceu meio que eu ver umas pessoas olhando demais e até cochichando (eles são meio indiscretos!) mas muitas dessas vezes era até uma certa admiração! Já me aconteceu de ver o povo cochichando e depois vieram me falar que achavam meu cabelo bonito, sabe? Acho que eles só nao sabem se expressar direito

      Reply
  5. Antonieta

    Oi meu nome é antonieta 24, eu sou africana precisamente Moçambiq, eu gostaria de estudar na noroega mas receio racismo. No meu pais nao somos até porq a maioria é negra. Eu sou negra(no meu pais a paula é mulata) ou seja tom de pele mais escuro. E cabelo bem crespo

    Reply
    1. Paula Augot

      Antonieta

      Que prazer receber alguém do Moçambique aqui! Eu estive na Noruega e não tive qualquer problema, e eu acho que será uma oportunidade incrível poder estudar lá, boa sorte!

      Reply
      1. Antonieta

        Muito obrigada assim fico mais segura. É bom encotrar motivacao de alguem da mesma raça que eu. Nao é facil ser negra nesse mundo racista

        Reply
  6. Antonieta

    Entre os negros ha quem se acha melhor porque a pele é mais clara. E isso é chato pois algumas pessoas comecam a utilisar produtos quimicos para clarear a pele o que é perigoso para a saude.

    Reply
  7. Nay Nayra

    Olá! Paula. Meu nome é Nay e tenho 16 anos.

    Antes de mais nada adorei seu blog ele esta me ajudando muito a conhecer um pouco dos países que quando criança queria conhecer.

    Ainda tenho 16 e não pretendo sair do Brasil tão cedo, principalmente por medo de certos países e suas historias com preconceito.
    Eu sou ”parda” e mesmo assim já sofri preconceito por ser dessa cor.
    Meu sonho era fazer intercambio no Japão, entretanto a xenofobia tem sido minha maior preocupação. Fico feliz por saber que lá não e tão ruim, mas minha preocupação maior estar relacionada em não conseguir ter uma boa ”ajuda”

    Tenho um amigo japonês, que um dia me disse que lá você pode ser tratado bem ( normal, mas não tão receptivo quanto no Brasil, claro!) ou ser tratado rudemente a friamente. Acredito que varia de pessoa comportamentos desse tipo.
    Eu queria saber se eles são pelo menos agradáveis e ”uteis” quanto a um estrangeiro que ainda pode estar um pouco perdido ? (o que deveras e normal)

    Reply
  8. Paula Augot

    Nay

    Que bom que vc gostou do blog! Sobre os japoneses, a minha experiência é que eles sã o povo mais educado do mundo, infelizmente a maioria não fala inglês por lá mas os poucos que eu tive mais contato foram extremamente educados e gentis, não se preocupe com isso.

    Reply
  9. Nyno costa

    Parabéns pelo seu blog minha conterrânea. Linda essa iniciativa,eu ainda não saí do
    Brasil ainda, mas ficava curioso sobre a receptividade a negros nos outros paises.Que Deus te abençoe e te proteja por onde vc for nesse mundão.

    Reply
    1. Paula Augot

      Augusto

      Que prazer receber uma visita de Moçambique aqui! Desses países, se tivesse que escolher, seria Cuba e Turquia sem dúvidas! No final do ano, eu voltei a Istambul com meu irmão, e ele era até parado na rua para tirar fotos hahahahaha

      Reply
  10. Givanilda Duarte

    Paula, achei incrível todas as suas dicas.
    Venho planejando minha primeira viagem internacional, seria ela pelo leste europeu:
    2 dias em Varsóvia, 2 em Cracóvia, 2 em Praga, 2 em Viena e finalizando 2 dias em Budapeste. Porém agora me bateu um medo diante de alguns comentários e do racismo desses países , embora o Brasil seja um país bem racista, quem mora aqui sabe bem disso.
    Será que devo deixar d e lado esse meu pensamento é mesmo assim seguir com o planejamento , uma vez qu não podemos deixar de ir a lugar nenhum , pq as pessoas acham que a cor da pele o faz ser melhor que outros?

    Reply
    1. Paula Augot

      Givanilda

      Eu não deixaria de ir, mas ficaria mais vigilante. São países lindos, eu adoraria voltar ( estou planejando uma viagem a Polônia) e tenho certeza que você vai estar feliz de ter a oportunidade de conhecer esses lugares!

      Reply
  11. tania

    Paula , amei suas dicas. Não sou negra, mas tenho uma sobrinha é um sobrinho negros que são minha vida. Fico muito preocupada com tudo que está acontecendo no Brasil e no mundo em quanto ao racismo e a xenofobia de forma geral. Ando pensando em sair do Brasil, mas, penso que gostaria muito de viver em um país em que meus sobrinhos também pudessem viver melhor caso queiram sair do país também. Tenho cidadania espanhola mas nunca fui a Espanha, você já visitou o país? Como são os espanhóis nesta questão?

    Reply
    1. Paula Augot

      Tania

      Fui algumas vezes na Espanha, não tenho nada a dizer a esse respeito, sempre fui muito bem tratada lá, e como há muitos imigrantes na Espanha, ninguém te olha como se vc fosse um ET, sabe? Pode ser uma possibilidade para seus sobrinhos por não ter uma cultura tão diferente da nossa…

      Reply
  12. Paulo

    Paula, adorei seu post.

    Sou pardo, bem misturado mesmo, minha pele é marrom claro, meu cabelo é muito liso e acredita que eu também já sofri racismo? Na verdade, acho que indiretamente a gente sofre todos os dias, basta não ser branco. Mas, as vezes tb é paranóia nossa. Por exemplo, quando alguém olha pra mim fixamente, eu acho que ela está me julgando pela minha cor (pode ser que esteja, claro, mas já aconteceu várias vezes de virem me elogiar, dizendo que sou bonito). Porém, pelas vezes que sofri racismo, fiquei traumatizado. Então, o que mais tenho medo é sofrer racismo em qualquer parte do mundo. Outra forma disfarçada de racismo é dizer que algum mestiço é negro (“uma gota de sangue negro já torna a pessoa negra”) pois essa mentalidade foi criada no tempo da escravatura, para evitar que brancos se relacionassem com quem não fosse 100% branco. Acontece que a minha carga genética é mais branca do que negra, então não vejo sentido em me rotularem como negro. Sou uma mistura e essa mistura não ser reconhecida é uma forma de discriminação sim, pois essa mistura é o que eu sou! Rotular-me como negro é negar meu lado branco, que tb faz parte da minha genética e da minha família. O racismo tem várias facetas e uma delas é querer colocar a pessoa em determinado pacote, mesmo que ela não se encaixe em nenhum dos pacotes “tradicionais”. Se eu me encaixasse em algum pacote, seria o de mestiço. Mas, pensando bem, o melhor rótulo que se aplica a mim é simplesmente “humano”. Porém, é muito triste e revoltante o que pessoas não-brancas passam todos os dias. Se vc é mulher e passa isso, imagine quem é homem! Pq acho que com mulher as pessoas pegam mais leve, respeitam mais. Eu, por exemplo, quando vou a algum lugar sempre vou bem arrumado, e isso é algo com que um branco jamais se preocuparia. Agora está tendo a Copa do Mundo e fiquei sabendo de coisas bizarras que russos racistas estão fazendo!! Eles estão perseguindo qualquer mulher russa que se relacione com algum estrangeiro porque não querem no país deles filhos mestiços!! Gente, isso é cúmulo do racismo, é quase a volta do nazismo. Quando eu vejo essas coisas, a única coisa que desejo é o fim do mundo chegue logo, porque não é algo simplesmente humano, é algo demoníaco. Então, eu jamais vou colocar o meu pé na Rússia. Na Polonia, eu só iria se fosse nas grandes cidades ou com amigos. Quanto à Espanha, eles são racistas sim, viu? Talvez Barcelona seja mais liberal, mas na Espanha, de um modo geral, o racismo rola solto. Que bom que no Japão e Coreia não é como eu imaginava. Gostei muito tanto desse como do outro post, é raro ver alguém escrever com essa temática. Bjs

    Reply
  13. Paula Augot

    Paulo

    Eu fiquei chocada quando li a reportagem sobre a Rússia, o problema para eles não era uma criança crescer sem pai, mas não ser branca! Me deu um misto de ódio, revolta, pena de ter pessoas assim no mundo, não sei nem bem o que falar. As vezes me dá uma revolta tremenda!

    Infelizmente a gente fala muito pouco sobre o assunto, acho que falar é uma forma das pessoas verem que elas não estão sozinhas, e que outras pessoas entendem o que elas sofrem, abraços!

    Reply
  14. Rasamrafal

    O bom é que ser preto é bom. Pois assisto essa comédia humana com olhar não de perplexidade mas de pena. Viver a divina comédia humana onde nada é eterno.

    Reply
  15. João Pedro Ferroza

    Gostei de todos menos Cuba, nunca iria para lá, meu irmão foi uma vez e viu como é a vida de “verdade” lá, achei meio incômodo no Japão quando eu fui.

    Reply
  16. Osmar Camara

    É a primeira vez que leio o seu blog e já me tornei fã, continue viajando e eu continuarei te acompanhando as suas aventuras Mundo afora.

    Reply
  17. Jéssica

    Olá, eu pretendo no futuro se Deus quiser morar no Canadá junto ao meu namorado e um dia quem sabe, construir uma família lá, mas tenho muito medo de sofrer muito preconceito. O Canadá é mesmo um país legal para um negro viver?

    Reply
  18. Ester

    Olá Paula, tenho vontade de ir morar na Irlanda mais tenho receio em relação ao racismo. Vc já viajou pra lá? Sabe me dizer se são muito racistas/ preconceituosos?

    Reply
  19. Vanessa

    Olá, Paula.

    É muito bom poder ver as boas experiências que vc teve nas suas viagens.
    Gostaria de saber um pouco sobre a França, pois pretendo fazer uma viagem de férias em breve e um amigo já me disse que foi mal tratado pelos franceses quando esteve em Paris. Disse que eles são muito racistas e isso me deixou com o pé atrás.

    Reply
    1. Paula Augot

      Vanessa

      Eu morei na França, e apesar de sim achar franceses racistas, não é tanto algo que vc possa presenciar nas férias, sabe? É coisa mais do dia de por ser estrangeiro, tipo maior dificuldade em arranjar emprego, essas coisas…não acredito que indo como turista vc vá ter problemas! 🙂

      Reply

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Mais em Alemanha, Américas, Berlim, Bulgária, Coréia, Estilo de Viagem, Europa, Inglaterra, Istambul, Japão, Londres, Seul, Slides, Tóquio, Turquia, Viajando sendo Negra
o que fazer em plovdiv
O que Fazer em Plovdiv e o que Visitar.

onde comer em montreal
Onde Comer em Montreal : Dicas de Lugares

Fechar