Os Finlandeses são Racistas? Minha Experiência em Helsinque

Os Finlandeses são Racistas? Minha Experiência em Helsinque

DSC_0889 finlandeses racistas

Por ser uma das poucas blogueiras negras, eu tenho recebido com alguma frequência perguntas sobre racismo x viagens, algumas pessoas preocupadas se o povo x é racista, se serão bem vindas no país Y, e coisas do tipo. A preocupação é principalmente em relação a países menos explorados e que levam fama de serem racistas como é o Japão e alguns países escandinavos.

Quando escrevi sobre minha experiência de ser negra no Japãoeu percebi que muita gente tinha muita curiosidade para saber se fui discriminada, e muitos leitores negros acharam uma boa ideia eu contar em alguns posts como foi a minha experiência em x lugar, principalmente os lugares menos batidos.

Eu vou começar falando que com o Brexit, aumentou a quantidade de crimes de ódio aqui em Londres, eu estou um tanto preocupada, mas isso geralmente é algo que me preocupa no dia a dia, e um pouco menos durante as viagens, mas ainda assim me preocupa muito.

A relação racismo x viagem é algo que nunca passa pela mente de uma pessoa branca, mas é algo que nós negros sempre nos preocupamos, um viajante negro sempre tem dúvida e receios se sofrerá racismo em certos lugares e em alguns casos até troca de destino.

finlandeses são racistas

Desde a minha primeira vez em Helsinque, fiquei surpresa ao ver muitos estrangeiros, muitos negros também, claro que não é como Londres, mas achei a cidade muito mais cosmopolita do que eu poderia imaginar, e na mesma ocasião conversei com um africano sobre o assunto, ele morava em Helsinque e me contou que também pensava que teria problemas, mas que sempre foi muito bem tratado no país.

Recentemente estive em Helsinque pela segunda vez, e já no primeiro dia quando disse que ia a Helsinque, recebi umas duas perguntas de gente dizendo que tinha vontade de ir, mas que tinha ouvido falar que os finlandeses são racistas. Então nesse momento, eu decidi fazer um post para contar a minha experiência na cidade, do ponto de vista de uma turista negra, mas eu não fazia ideia do que estava por vir.

finlandeses são racistas
Eu na Rádio Helsinki

Eu dei uma entrevista para o rádio em Helsinque, contando sobre o projeto #HelsinkiSecret e uma das últimas perguntas era justamente sobre racismo e viagens, como eu tinha sido a primeira blogueira negra a ser entrevistada, eles acharam pertinente falar sobre, e eu sou do ponto de vista que a gente precisa sim falar sobre isso!

Até então, nunca tinha sofrido nada de muito espetacular, claro que eu entendo que eu tenho um físico diferente e bem exótico em alguns países, e entendo também que alguns países foram extremamente fechados durante anos, e que tiveram pouco contato com o mundo exterior, e tem poucos imigrantes como é o caso de alguns países da Europa Central e Leste por exemplo. Então receber muitos olhares eu já estou “acostumada”,  e só me incomoda quando a pessoa encara demais, ou repetidamente.

Eu passei a fazer uma correlação com os estrangeiros brancos no Brasil, as pessoas olham muito para eles porquê são diferentes e suscita curiosidade. No geral, quando a pessoa olha demais, eu também começo a encarar ela, geralmente a pessoa percebe que está sendo inconveniente (para não dizer mal educada) e para de olhar.

finlandeses são racistas

Racismo em Helsinque parte 1

Dessa vez, em Helsinque a coisa foi diferente, eu ouvi insultos racistas! Eu contei no snapchat que tinha ficado doente, tinha ido para clínica e quando saio da clínica, acompanhada de uma amiga e andando bem no centro de Helsinque, uma homem vira para mim e me diz uma palavra que eu entendi como “alaina” pelo tom de voz dele, eu tinha quase certeza que foi um insulto, mas eu não falo finlandês.

No mesmo segundo, eu mando uma mensagem de voz para uma amiga que mora na Finlândia, e eu comentei que ou ele me chamou de “gostosa” ou que ele me insultou, e que tinha sido direcionado para mim, já que ele virou e olhou para mim. Poucos segundos depois, a minha amiga me responde que provavelmente a palavra citada foi “alainen” que quer dizer serviçal.

Foi a primeira vez que fui insultada, infelizmente já havia sentido o peso do preconceito outras vezes, aquele preconceito velado corriqueiro, mas dessa vez foi diferente, ele gritou, e gritou para mim, não para mim e minha amiga, para mim! Ele virou a cabeça e olhou nos meus olhos enquanto vomitava o seu racismo.

finlandeses são racistas

Claro que eu fiquei mal com o episódio, mas terminei com mais pena do homem, não é fácil ser idiota a ponto de achar que a cor da minha pele faz de mim inferior, imagina ter uma mente idiota a esse ponto e ter que viver com isso todos os dias?

Além de, fisicamente quando eu lembro da cara dele, eu acredito que ele seja uma dessas pessoas “punidas pela vida” e, enquanto comentava sobre isso com minha amiga, a gente disse “Vai ter preta lacrando na Finlândia sim! E se reclamar, vai ter mais”!

Mais um ataque racista em Helsinque

O segundo episódio aconteceu menos de 48h depois, sim, não bastou um ato racista, eu precisava viver um segundo na mesma viagem. Estava eu e minha amiga no terminal de ônibus que fica do lado de fora da estação central, em Helsinque (bem no centro da cidade) quando um senhor começou a me olhar.

Como já disse, estou acostumada a olhares de curiosidade, e geralmente eu olho até a pessoa se tocar que ela está sendo inconveniente, mas dessa vez o senhor não parava de olhar, e eu pude ver o ódio nos olhos dele. Eu insisti em encarar, afinal a errada não era eu, eu não havia feito nada de errado, estava apenas turistando na cidade, e naquele momento estava esperando o ônibus.

Foi um momento bem tenso, minha amiga inclusive temeu pela minha integridade física, e me pediu para a gente sair dali, porquê mesmo ela pode perceber o olhar de ódio nos olhos dele, e mais uma vez, era direcionado apenas para mim, a negra!

Eu tremia, mas não quis demonstrar medo, até que ele colocou a mão dentro do blazer como se fosse sacar uma arma, naquele momento eu não consegui pensar em outra coisa além de que ele iria atirar em mim, e eu seria mais uma vítima fatal do racismo.

finlandeses são racistas

Eu sai do terminal de ônibus, em pânico! Estava tremendo e levei algum tempo até me acalmar, fisicamente ele parecia um neonazista, e tive muito medo de não sair viva daquele encontro, ou de sofrer violência e aumentar os números dos crimes de ódio.

Não, eu não interpretei errado, nos dois casos, o que mais me impressionou é que apesar de eu estar com minha amiga, os ataques eram direcionados a mim, que diferente dela, sou negra. E nos dois casos, a minha amiga confirmou que não era algo geral para nós duas, e sim direcionado a mim.

Para finalizar, finlandeses são racistas?

Eu acho que todos os finlandeses são racistas? Não! Mas também precisava contar o que aconteceu comigo nas ruas de Helsinque. Eu odeio os finlandeses? Não! Foram até bem simpáticos comigo, mas mais uma vez eu precisava contar o que aconteceu, afinal a minha visita a Helsinque esteve longe de ser apenas flores. Eu acho que os negros devem evitar de ir a Finlândia? De jeito nenhum! Eu voltaria a Helsinque? Sim, mas não sozinha, o segundo episódio me deixou com muito medo, e como os números de crime de ódio vem crescendo em toda Europa, eu mesmo sendo defensora de viajar sozinha, não arriscaria porquê em alguns momentos me senti insegura na cidade.

 

Outros posts sobre viajar sendo negra

Planeje sua viagem e aproveite as ofertas dos nossos parceiros

Pesquisa de voos baratos: Pesquise e compare voos no JetRadar

As melhores ofertas de hotéis estão aqui: Booking.com

Se você prefere viajar de trem: Rail Europe

Aluguel de carro: As melhores tarifas para alugar um carro

Ônibus Turístico no mundo todo: Big Bus Tours

Reserve os ingressos para atrações e tours guiados: Ingressos corta fila para atrações no mundo todo

Prepare a sua viagem com os guias: Planeje já sua viagem!

Seguro de viagem, simples e flexível: Comprar, prolongar e requisitar online

A cada vez que você reserva pelo meu blog, eu ganho uma pequena comissão que ajuda a manter o blog, obrigada!

About The Author

Uma menina baiana morando em Londres, apaixonada por cosméticos, e por viagens.. Adora viajar e tem uma queda por Istambul e Tóquio.

Related posts

51 Comments

  1. Carla Boechat

    Que merda de mundo a gente ainda vive. Paula, te admiro muito por falar abertamente sobre isso e por encarar isso e não deixar que situações como essas te impeçam de viajar.
    Não deixe de ir a todos esses lugares que você visita. Mas se cuide sempre!

    Reply
    1. Paula Augot

      Carlinha,

      Me sinto na obrigação de lembrar as pessoas que os crimes de ódio estão voltando com força, principalmente aqui na Europa. Precisamos combater esse tipo de praga!

      Reply
  2. Gabi Pizzato

    Puxa, Paula… Que tristeza o teu relato. Não esperava isso vindo, especialmente de lá, já que também tive a oportunidade de conhecer um pouco. Enfim… Força e bola pra frente!

    Reply
  3. Karine Porto

    Concordo quando você diz que dá entender que a cor da sua pele causa estranheza em destinos menos visitados por negros, mas é de doer o coração quando esse estranhamento se traduz em ódio né?! Senti seu medo daqui. Triste…

    Reply
  4. Elismar Mota

    Realmente precisamos todos estarmos preparados para o enfrentamento destas questões, entretanto a diplomacia para tratar determinadas situações deve ser evidenciada nos momentos mais difíceis destas ações que não coadunam com o legitimo comportamento humano, principalmente dos que se afirmam como seres humanos.

    Reply
  5. Sandra

    “e eu comentei que ou ele me chamou de “gostosa” ou que ele me insultou…”. Eu acho que ser chamada de “gostosa” é também um insulto.
    Enfim, esses são tipos de situações que me ENOJAM. O mundo está regredindo para a barbárie. Infelizmente.

    Reply
    1. Paula Augot

      Sim, é um insulto! Talvez não tenha me expressado da melhor forma, mas acho que essa não é a questão mais importante aqui.

      Sim, de alguns anos para cá, eu vejo como estamos regredindo e estou extremamente preocupada com isso.

      Reply
  6. Juliana Arthuso

    Caramba, que experiência hein, Paula?
    Que bom que você não saiu falando mal, encarou de cabeça erguida, da forma mais digna possível. Gostei muito da sua postura. Fico triste por saber que num dos países que eu considerava mais desenvolvidos do mundo, aconteceram atrocidades desse tipo com você.
    Abraços!

    Reply
    1. Paula Augot

      Juliana

      Realmente não dá para julgar todo um povo por conta de dois idiotas, não é mesmo? Eu não me senti segura em Helsinque, mas não posso sair generalizando, é por conta de tantas generalizações que o mundo está do jeito que está.
      beijo!

      Reply
  7. Cyntia Campos

    Nossa, Paula… fico triste que você tenha vivido esses episódios. Triste com esse recrudescimento da intolerância, do ódio racial. Parabéns por ter trazido o tema para o mundo das viagens. Nós precisamos falar de racismo sim. E muito.
    Bjo

    Reply
    1. Paula Augot

      Cyntia

      Esses últimos tempos ando muito preocupada com isso, em como estamos regredindo…parece que a humanidade não aprendeu com os erros do passado, e isso me deixa muito aflita!

      beijo!

      Reply
  8. Fabricio

    Oi Paula, tudo bem? Descobri seu blog hoje e adorei. Tenho planos de ir pra Helsinque em novembro, fiquei bem chocado com as situações pelas quais você passou.

    Reply
  9. Thais

    Ai, Paula, sinto muito que você tenha passado por isso. Fiquei com um no na garganta lendo teu relato. É bem como voce falou no snap, acho que os que tem o “privilegio branco” realmente nem se preocupam com esse tipo de coisa antes de programar uma viagem. É uma pena que isso ainda aconteça nos dias de hoje. Espero que vc nao precise passar mais por situacoes como essas que voce descreveu. Beijos!

    Reply
  10. Lilian Azevedo

    Oi,Paula
    Importante você falar ,às vezes, achamos que esse pensamento tão mesquinho e injusto não existe em países mais desenvolvidos. Que fragilidade emocional e espiritual dessas pessoas que precisam tratar com tamanha violência uma outra pessoa.

    Reply
  11. Dani Reis

    Sinto muito por esses episódios e realmente vc está certíssima em não calar. O texto ficou ótimo, me senti transportada ao momento dos acontecimentos, pena que é um relato triste! Força! Sinta-se abraçada!

    Reply
  12. Davi Carneiro

    Paula, todo meu apoio a você. Sei o quanto isso fere, machuca, mas acredito também que nossa dignidade e força está acima de qualquer ignorancia e falta de amor. Continuemos viajando e abrindo nossas cabeças (e corações),

    saudaçoes de outro viajante negro e baiano (com muito orgulho!)

    Reply
  13. Paula Pedrotti

    Nossa Paula, sinto muito pelo que te aconteceu em Helsinki!! Já estive la algumas vezes e morei na Finlândia por algum tempo. Mesmo sabendo que os finlandeses são fechados e não socializam muito, nunca imaginei que fossem também racistas. Não podemos generalizar, claro, mas é muito triste que isso tenha te acontecido, ainda mais em um país tão aclamado pela educação. Mas não te abale não!! 😁
    Beijos!

    Reply
  14. Marianne

    Nossa, Paula! Chocada com o seu relato e muito triste por constatar que é uma realidade, e mais comum do que a gente pensa. Cuide se sempre mas nunca deixe de viver suas viagens e aproveitar ao máximo por causa de pessoas tão pequenas!

    Reply
  15. Fabio Pastorello

    Assim caminha a humanidade, dois passos para frente, e um para trás. Nesse momento, estamos andando um pouco para trás. Torçamos para que a gente volte a andar pra frente logo. Triste situação.

    Reply
  16. Paula Fiuza

    Passo por isso tds os dias, aqui, na França. Nada tão explícito, e assustador, mas concordo com vc. Não podemos nos intimidar, deixar de usufrruir do nosso direito sagrado de ir e vir. A recomendação que vc fez que é muito pertinente. Viajar sozinha, não só por este motivo, especialmente para uma mulher, não é nada aconselhável. É revoltante, essas pessoas são dentes, acham que podem se comportar como se estivéssemos, ainda, na época da Escravidão. SQN ! Racistas, não passarão !

    Reply
  17. pedro

    Oi Paula,
    Infelizmente esses tipos de atitudes acontecem muito no leste europeu, talvez pelo período em que ficaram isolados em razão do comunismo.
    Uma pena, porque são paises lindos e com muita história….

    Reply
  18. Fernanda

    Que situação horrorosa! Tenho nojo de pessoas que acham que tem algum motivo para odiar sem conhecer, em dividir a humanidade. Nojo. E parabéns pela sua atitude e posição, que não se deixa contaminhar por esse ódio coletivo que parece estar rondando o mundo todo ultimanente.

    Reply
  19. Evandro de Oliveira

    Dei de cara com essa matéria quando pesquisava sobre relacionamentos inter raciais, já que vivo em um. Nada a ver, né? Só mesmo o preconceito que os envolvidos podem sofrer.
    Não sei se terei condições de viajar para o exterior, mas me lembro que o medo de sofrer um ataque racista em um país estranho é uma constante.
    Enfim, adorei o seu texto. Tudo de bom para você.

    Reply
    1. Paula Augot

      Evandro

      Acho que vc não pode perder a oportunidade de conhecer outro país por causa disso, precisamos mostrar ao mundo que estamos ai, e apesar disso ter acontecido comigo eu continuo viajando, isso foi uma exceção nas minhas viagens, espero que vc viaje e dê tudo certo para vc!

      Reply

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *