5 Países mais Racistas da Europa

Países mais Racistas da Europa

Muita gente chega até meu blog procurando saber quais são os países mais racistas da Europa, se vão sofrer racismo viajando pelos países da Europa, se as pessoas vão olhar torto para elas por serem negras, e inclusive já me perguntaram se elas conseguiriam passar na imigração.

A boa notícia é que se você mora no Brasil, você já sofre com o racismo todos os dias e dificilmente passará por algo pior que o racismo no nosso país que é estrutural e que mata negros todos os dias.

Como viajante negro na Europa eu já tive tanto boas experiências como ruins, a maioria foram boas mas não dá para fechar os olhos e dizer que viajar é tudo de bom, visitar um país estrangeiro quando você é uma minoria pode trazer preocupações e medos que outras pessoas não tem.

Eu fiz um post recentemente sobre os melhores países para viajar sendo negro, e esse post aqui é o reverso da moeda, apenas relatarei situações desagradáveis de racismo que vivi em viagens pela Europa.

Essa lista dos países mais racistas da Europa está classificada de acordo com a minha experiência, quero também ouvir a experiência de outros viajantes negros como eu.

A má notícia é que o racismo existe em toda parte e em alguns lugares é de forma mais branda, em outros você vai poder ver na cara e nos olhares das pessoas que você não é bem vindo ali. Sim, já tive experiências bem dolorosas viajando pela Europa.

Eu sempre tento lembrar que não há nada de errado com a cor da minha pele, meu cabelo ou traços, mas muitas vezes não tem como evitar que essas experiências ruins tragam algum sofrimento nem que seja momentâneo.

A questão do racismo na Europa e do crescimento da extrema direita as vezes me impede de ir a certos países sozinha, uma coisa que meus amigos viajantes brancos não entendem é que a cor da minha pele me faz desistir de ir para um destino sozinha, já que além de segurança em geral eu ainda me preocupo com a minha segurança em tanto que pessoa negra, para quem acha exagero basta procurar os números dos crimes de ódio e ver como eles aumentaram nos últimos dois anos na Europa.

Faz 9 anos que moro na Europa e conheço mais de 30 países na Europa e embora a maioria das minhas experiências tenham sido boas, também tive péssimas experiências sendo uma turista negra em alguns lugares.

Países mais Racistas da Europa : Meu Top 5

 

helsinki

Finlândia

Eu realmente coloquei essa lista por ordem de importância, e na minha experiência a Finlândia é o pior país para viajar sendo negro porquê eu sofri dois ataques racistas em 48h na minha segunda vez visitando o país, e não pretendo voltar sozinha para lá.

finlandeses são racistas

Estou generalizando? Não, conheci finlandeses legais e muitos ficam envergonhados quando conto o que passei por lá, mas não tem como eu recomendar a Finlândia e Helsinque em especial para um viajante negro se a minha experiência por lá como turista negra foi a pior possível, né?

A Finlândia encabeça minha lista de países mais racistas da Europa porquê foi o único lugar que temi pela minha integridade física, senti muito medo e pensei que fosse virar mais uma estatística dos crimes de ódio que tem voltado com força.

Roteiro de 10 dias pela Finlândia, Rússia e Países Bálticos

Letônia

Outra experiência bem desagradável que eu tive, Riga foi a última parada de uma viagem que fiz pela Europa do Norte alguns anos atrás e não guardo boas recordações do meu pouco contato com os locais, não poderia dizer que os letões são o povo mais aberto do mundo.

Do momento que cheguei a Riga até o momento que fui embora se resumiu a pessoas me olhando. Não eram olhares de supresa ou de curiosidade, era um olhar duro, de desprezo, raiva, acho que só faltaram mesmo dizer que eu não era bem vinda por lá.

negra na Letônia

Eu achei Riga bem legal como cidade, mas no meu pouco tempo por lá eu achei que a Letônia não é exatamente um lugar onde negros podem se sentir a vontade. Eu não me senti, e acho Riga uma cidade nada acolhedora, principalmente em se tratando de minoria.

Já no aeroporto, quando eu achei que finalmente tinha acabado, a coisa foi se tornando insuportável até o ponto de eu chegar e ter que perguntar “Algum problema?” Pela cara de poucos amigos com que fui olhada, eu tenho certeza que sim, essa pessoa tinha algum problema.

países mais racistas da europa

República Tcheca

Praga foi a primeira cidade que eu tenho lembrança de ter vistos olhares duros para mim, foi também a minha primeira experiência num país da Europa Central/Leste e também um dos primeiros momentos onde eu passei dias sem ver nenhuma pessoa negra ao redor.

Nas ruas de Praga pessoas viravam o pescoço para me olhar, vagões de metrô inteiros me olhavam fixamente, e quando eu peguei o bonde até uma parte não turística da cidade, eu meio que virei a atração local por meia hora aproximadamente.

países mais racistas da europa

Me lembro de uma senhorinha no metrô, ela me olhava fixamente durante minutos. Eu deduzi que pela idade, ela viveu debaixo de uma Praga extremamente fechada, e provavelmente nunca tivesse visto uma pessoa negra. Eu até consigo entender, mas o olhar dela era extremamente desagradável e comecei a olhar de volta.

Pessoas de todas as idades me olhavam, algumas com cara nada agradável e olhar de racismo mesmo, era a primeira vez que sentia olhares que misturavam racismo e desprezo de forma tão escancarada. Anos depois eu estive em Brno, segunda maior cidade da República Tcheca e apesar de alguns olhares, foi algo mais tranquilo.

países mais racistas da europa

Hungria

No ano seguinta a minha viagem para Praga, eu fui para a Hungria e passei alguns dias em Budapeste. Por vezes minhas lembranças de Praga e Budapeste se confundem, não apenas pelas igrejas e o rio que corta a cidade, mas também pela falta de negros nas ruas e a maneira rude que os locais me olhavam.

Eu comentei no post sobre como é ser uma turista negra na Holanda que um dos fatores que me faz saber se uma viagem vai ser tranquila ou não é como certo país se posiciona frente a minorias. Nesse quesito a Hungria está entre os países mais racistas da Europa, e não é raro ler sobre atrocidades contra ciganos e refugiado na Hungria.

O “engraçado” é que as mulheres húngaras usavam muita maquiagem e produtos bronzeantes, MUITO! E nem todas ficavam laranjas ou cor de telha, algumas chegavam a ficar realmente escuras, porquê aconteceu de eu ver uma mulher de longe e achar que ela era negra, ou pelo menos bem morena.

varsóvia

Croácia e Polônia

Na verdade eu anunciei o post com cinco países mais racistas da Europa e coloquei seis, porquê não consegui me decidir entre o quinto e os dois países eu tive experiência bem parecidas no sentido de em algumas cidades ser bem tranquilo e em outras cidades as pessoas me olharem com insistência.

como se vestir no inverno em londres

Vou começar falando da Polônia, país que eu adoro e já fui várias vezes, conheço Varsóvia, Cracóvia e Gdansk e mesmo adorando o país eu não posso dizer que tudo são flores por lá, encontrei muita gente legal e achei os poloneses muito mais simpáticos e gentis do que eu imaginava.

Em Gdansk em especial as pessoas me olhavam bastante, a ponto de incomodar. Enquanto estava nas ruas principais foi mais tranquilo porquê a cidade basicamente tem três ruas turísticas, mas qualquer lugar além disso que eu fui eu era olhada de cima a baixo o tempo todo e foi uma experiência bem desagradável.

Em geral quando um viajante negro me pergunta sobre a Polônia, eu sempre conto duas experiências bem diferentes, porquê mesmo tendo sido difícil em Gdansk, eu guardo uma boa lembrança de Cracóvia, quando as pessoas tentavam o tempo todo me ajudar, mesmo as que mal falavam inglês. Foi também no trem de Cracóvia para Varsóvia que encontrei várias pessoas legais e que me fizeram ter uma excelente impressão dos poloneses.

lagos plitvice

Croácia

A Croácia assim como a Polônia entrou aqui na última posição, eu fiquei na dúvida se colocaria aqui nesse post sobre países mais racistas da Europa porquê assim como a Polônia, eu tive uma experiência diferente em diferentes cidades da Croácia. Eu estive em Zagreb, Split e nos Lagos Plitvice e minha impressão sobre as pessoas não foi igual em todas as cidades.

Eu cheguei na Croácia por Zagreb, uma cidade que tinha muita vontade de conhecer, sabe aqueles lugares que você ouviu em alguma aula de Geografia no passado e te marcou? Zagreb era um desses lugares e eu estava bem feliz de finalmente poder ver essa cidade com os meus próprios olhos.

Eu comecei a minha viagem na Croácia por Zagreb, e mesmo sendo a maior cidade do país eu passei por alguns momentos onde as pessoas olhavam para mim um pouco demais, ou que não me atendiam (mas atendiam outra pessoa branca) e alguns pequenos atos de racismo que vivemos no dia a dia.

Já em Split e nos Lagos Plitvice foi tudo bem diferente, e voltei com uma melhor impressão da Croácia, o que me fez colocar o país no último lugar aqui dos países mais racistas da Europa, dividindo o lugar com a Polônia.

Planeje sua viagem e aproveite as ofertas dos nossos parceiros

Pesquisa de voos baratos: Pesquise e compare voos no JetRadar

As melhores ofertas de hotéis estão aqui: Booking.com

Se você prefere viajar de trem: Rail Europe

Aluguel de carro: As melhores tarifas para alugar um carro

Ônibus Turístico no mundo todo: Big Bus Tours

Reserve os ingressos para atrações e tours guiados: Ingressos corta fila para atrações no mundo todo

Prepare a sua viagem com os guias: Planeje já sua viagem!

Seguro de viagem, simples e flexível: Comprar, prolongar e requisitar online

A cada vez que você reserva pelo meu blog, eu ganho uma pequena comissão que ajuda a manter o blog, obrigada!

About The Author

Uma menina baiana morando em Hong Kong. Já chamou de casa cidades como Paris e Londres e hoje se aventura na Ásia. É viciada em viajar e ama Istambul de paixão!

Related posts

39 Comments

    1. David

      Vai depender do país. Tem países europeus que o racismo e xenofobia como um “mal necessário” faz parte da cultura para permanecer no Primeiro Mundo e desenvolvimento. As vezes eles têm toda a razão, mas ás vezes é pura idiotice.

      Reply
  1. nelson

    Não vou entrar no mérito dos seus comentários,mas uma coisa é indiscutivel,quando o pais não é deíingua latina, existe, uma maior ,rejeição a extranjeiros ” que não sejam como eles.Creio que se eu fosse para aqueles países que vc. foi Letonia,Estonia e Lituania, apesar de eu não ser negro teria dificuldades,também por causa da língua cultura países isolados parecem uma ilha.Acredito que vc. fala muito em racismo,acho que exagera um pouco, mas claro que existe.Acabei de voltar de Paris onde fui assaltado e até me machuquei, e foi por 3 africanos, então vou dizer qui que os negros africanos que moram em Paris odeiam brasileiros brancos,não é assim não eles vão assaltar qualquer que se distraia como eu no metro independentemente da cor.Mas achei util e não a motivo para mim querer ir para a Finlandia,troco-a pel ISTRIA tranquilamente>Todos que viajam pela Europa em algum momento vão se sentir iscriminados.
    ..

    Reply
  2. Liliane Inglez

    Paula, não tem como eu não lembrar de um lugar que eu era a única pessoa branca, na Suazilândia. Todos me olharam com curiosidade, mas a experiência é tão diferente! Gostaria muito que as pessoas tivessem mais empatia e tentassem entender e se colocar no seu lugar! Muito obrigada por compartilhar suas experiências! Eu aprendo muito tentando ver o mundo com outros olhos, que não os meus! Abraço e continue firme na luta!!!

    Reply
  3. Caroline

    Fico muito triste de saber pelo que vc passou, mas infelizmente o racismo é uma realidade. Às vezes é difícil se colocar no lugar do outro. Eu moro na Itália e aqui nunca sofri especificamente com o racismo e sim com o preconceito por ser estrangeira, mas já presenciei algumas cenas lamentáveis, até pq eles não me consideram negra e sim mestiça. Já vi algumas vezes jovens insultando negros (provavelmente africanos) e me doeu pq poderia ser minha mãe naquela situação. Pessoas já falaram os maiores absurdos racistas por não conseguirem perceber que sou afrodescendente. Sei q cada um tem uma experiência diferente em cada lugar e vc foi bem clara dizendo q estava contando a sua. Eu por exemplo passei uma situação horrível na Alemanha, onde um cara no meio de uma multidão da oktoberfest começou a gritar comigo pq eu estava encostando nele (nem tinha percebido). Eu logo imaginei q poderia ser racismo e não queria confirmar pq ia doer mais, mas uma amiga quis tirar a situação a limpo e ele disse claramente q era por conta da cor da minha pele. Nem sei se ele era alemão pq a discussão foi em inglês. Essa foi a minha experiência na Alemanha, pra uma outra pessoa pode ser diferente, agora negar q o racismo existe é fechar os olhos pra realidade.

    Reply
  4. Silvia Aguiar

    Oi Paula! Gostei muito da matéria, obrigada por compartilhar as suas experiências, algumas tristes, infelizmente. Eu já sonhei muito em viajar assim, conhecendo a europa, mas sempre me preocupei com essa questão do racismo, então eu não estava tão errada, né? Eu.jurava que a Itália estaria nesta lista. Vc já ouviu ou leu um relato do Seu Jorge, contando o que ele sofreu por lá? É bem triste tbm.Agora vou ler a outra matéria dos lugares legais. Bj e obrigada!

    Reply
    1. Paula Augot

      Silvia

      Não acho que vc deva deixar de viajar por isso, olha eu tive experiências negativas no Brasil tb, e viajando a gente mostra para o mundo quem somos! Eu ouvi o Seu Jorge falar sim, uma coisa horrível o que aconteceu com ele…minha experiência na Itália não foi ruim, então não falei especificamente.

      beijo!

      Reply
  5. kmanyi

    Ola, sou hungara e vivo em Portugal a 20 anos! Por isso sei o que é ser imigrante (agora talvez voce so fala de pessoas com cor ou negros, mas ser diferente nao é so isso é que quer dizer!), Nao concordo consigo, nao da para fazer a diferença assim! Também acho e concordo com as pessoas quais escreveram em cima, voce claro que é diferente como negra num pais com caucasianos branquinos e claramente olham para si de outra maneira!? Como alguem também disse que pode ser mal tratada na mesma num país africano, cert??? Ah e mais uma coisa! Algumas mulheres hungaras nao são morenas porque usam muita maquilhagem, nao senhora! São porque nos temos muita cuidado com a beleza e andamaos a solario, o esteticista e fazer tratamentos de beleza todas as semanas! Estamos habituados ser assim a muitos anos, e quem nao trata a pele e a cara para ser bonita, até sente mal com ela propria! Espero que como uma hungara e origem destes paises , mas viver num pais latino a 20 anos, consegui tirar algumas duvidas suas, e devagarinho vai corrigindo estas suas experiencias negativas. Obrigada, boa tarde

    Reply
    1. Anna

      Seu país é racista sim,não tem como tapar o sol com a peneira … Dezenas de crianças refugiadas sírias famintas e dormindo na floresta num frio congelante e o seu então presidente Viktor Orban fechou as portas para elas..Por serem sírias …Não tiveram compaixão pelas crianças..RACISMO É COISA DE IDIOTAS PORQUE TODO MUNDO DEFECA,OU VCS SAO DEUSES .. SERES CELESTIAIS? NAO MIJAM?

      Reply
  6. Tavares

    Preconceito existe em todo o lugar, sou moreno e sei o que é uma pessoa segurar a bolsa quando tu chega perto dela.

    Mas sei que muitos negros e principalmente brasileiros não sabem aceitar ou aprender a cultura de outros lugares. O negro já é ensinado que ele é uma vitima e que qualquer coisa é preconceito.

    Sou moreno e me considero uma pessoa de ‘direita”, tenho pavor de socialismo ou qualquer política de vitimismo ou de “minorias”. A cor da tua pele não deve te fazer mais especial que outros.Estude, trabalhe e pare de se fazer de coitado e receber ajuda governamental.

    Ontem vi uma série que o personagem perguntava: “Se um negro usa uma camiseta escrito 100% negro é cultural, se uma mulher usa uma camisa que esta escrita poder feminino ela é militante e empoderada. Agora se eu, branco uso uma camisa 100% branco e poder aos homens sou nazista.

    Arrisco dizer que se tu fosse viver nestes lugares e se fizesse conhecer pelas pessoas não enfrentaria tais olhares. Conceitos pré formados podem existir, as pessoas tem isso. Brasileiro quando chega em outro país é lembrado pelo que? Carnaval, futebol e não por ter descoberto a cura para uma doença. Brasileiro tem a fama de ser malandro, folgado e esta fama é correta. Então apenas com o tempo as coisas mudam.

    Só lembrando, sou moreno e não negro…pois se me chamarem de negro estarão sendo preconceituosos com a minha mãe que é de origem alemã.

    Reply
    1. Paula Augot

      Tavares

      Dizer que não existe minorias seria dizer que o mundo é igualitário e isso não é. Eu gostaria muito que não se precisasse usar qualquer tipo de política que vc qualifica de vitimismo, mas a verdade é que até que todas as pessoas tenham condições de estudar para depois trabalhar ainda há algumas ações que precisam ser tomadas.

      Talvez essa coisa do esforço funcione com nós que tivemos condições de estudar e trabalhar, mas essa é uma realidade de uma parcela pequena no Brasil que teve todas as ferramentas para poder “melhorar de vida” o que infelizmente não procede.

      “Se um negro usa uma camiseta escrito 100% negro é cultural, se uma mulher usa uma camisa que esta escrita poder feminino ela é militante e empoderada. Agora se eu, branco uso uma camisa 100% branco e poder aos homens sou nazista.”
      Talvez seja porquê quando os branco já o fizeram coisa de 100% branco, e todos nós sabemos o que as ideias do Hitler com sua raça ariana e as ideias do KKK fizeram com as pessoas. Quando uma minoria fala de orgulho, ela não está tendo preconceito com as outras, ela apenas está afirmando que apesar das dificuldades, ela ainda tem orgulho de ser quem ela é!

      E sim, como você bem falou no começo, preconceito tem em todo lugar, mas há lugares onde ele é mais intenso.

      Reply
    2. Barbosa

      Tavares meu pai já falecido era negro porem ele era filho de um negro em sua essência casado com uma italiana(caucasiana) no começo do século 19, ele casou-se com minha mãe branca filha de pai espanhol e mãe branca, aí eu uma mistura de tudo isto um mulato e sendo mulato sou negro, ser moreno o que quer dizer cm isso, é como tudo que temos no Brasil ninguém assumi suas raízes, digo que tenho orgulho de ser negro e , eu como muitos brasileiros nesta condição não fico dando uma de coitadinho, estudei porque meu pai um negro que não teve quase oportunidade mas muito inteligente me orientou e me proporcionou isto, fiz duas faculdades, mas posso te dizer pessoas que falam como você ignora nossa história principalmente a verdadeira história em que foram 400 anos de trabalhos de graça para construir este lixo de pais, ai eu te pergunto você ficaria um ano trabalhando de graça para alguém, é lógico que não, e te digo mais todas universidades seja ela estadual ou federal desde suas inaugurações foram mantidas através de impostos principalmente o ICMS que qualquer misero brasileiro quando compra uma mercadoria está ajudando estas entidades consequentemente quem lá está estudando que são ainda na maioria da burguesia brasileira que vem através dos séculos desde 1500, eu tive que me virar e fazer minhas faculdades enquanto pessoas que dizem que outras miseráveis são coitadas, até concordo que tem muito malandro neste pais, principalmente na política mas afirmar que o povo brasileiro não precisa de ajuda isso é uma falta de visão, não vou me alongar mas acho que tem que rever seus conceitos e achar que o governo não tem que fazer nada, tem sim mas com seriedade, aja vista que um pais desenvolvido geralmente você estudo, saúde e outras coisas não de graça mas é retorno do próprio suor de cada um transformado em imposto

      Reply
  7. Dani Reis

    Lamentável! Sinto muito mesmo que vc tenha passado por isso! Moro na Itália e já fui discriminada algumas vezes, na verdade não consegui distinguir se foi por racismo ou por vir de um país considerado subdesenvolvido. Porem não deixou de ser momentos super desagradáveis. Já presenciei pessoas de pele mais escura do que a minha sofrendo racismo. Uma certa vez, um rapaz negro de pele bem escura e cabelo crespo foi ao banheiro de um lugar que costumo frequentar e no outro dia tinha a seguinte pichação: Não use esse banheiro, aqui esteve um negro. Eu fiquei arrasada pq como negra me senti também atingida com aquilo.
    Realmente o crescimento da extrema direita é preocupante! Gostaria de ir a Praga, mas depois de ler como são os tchecos vou preferir deixar quieto…

    Reply
  8. VINICIUS CASAIS

    Paula…adorei seu Blog. Moro em Portugal e sei bem como é o processo! Se um dia tiver oportunidade gostaria de fazer uma entrevista com você! Obrigado e parabéns!

    Reply
  9. Laydmila

    O que você acha sobre viajar pela Europa sendo negra e adolescente? Quero mt fazer intercâmbio lá, mas tenho medo

    Reply
  10. José Antonio Ribeiro

    Sou negro e confesso que tenho medo do racismo no que tange não só os olhares ma agressão física. Minha pele é de uma tonalidade mais africana e com certeza chamo mais a atenção nos lugares que passo. Quero conhecer o máximo de lugares possíveis mas fico pensando como será minha recepção. No meu pais, o Brasil, sofri racismo tanto por palavras quanto por olhares fico imaginando em lugares como Rússia, Noruega…sei que nem todos são racistas, mas o medo é pertinente.
    É desconfortável ser olhado o tempo todo e com cara de nojo. Mas não vamos nos impedir de livre transitar pelo mundo.

    Reply
  11. Paula Augot

    Jose Antonio

    Compreendo bem seu medo, já tive muito isso também! Olha, sobre a Rússia ou Noruega, nenhuma das duas está aqui nessa lista e já fui em ambos países 😉 na Noruega ninguém me olhou, nada demais, e inclusive vi muitos estrangeiros negros lá

    Reply
  12. Paty Marina

    OLA…..

    Achei seu blog meio que por acaso e fico surpresa pela sua experiencia em Praga…..Sou negra , de pele
    ate mais escura que a sua e cabelo crespo ( na época usa tranças) e morei por 4 anos em Praga.
    Retornei para o Brasil em 2009 e lá no período que morei haviam muitos africanos estudantes, e ate´mesmo
    mulheres checas casadas com negros.
    Sempre fui bem aceita e eles simpáticos, e quando falava que era brasileira (porque pensavam que era angolana) gostavam de puxar papo. Aqueles é claro que falavam inglês, e quando aprendi um pouco da língua local eles ajudavam bastante.
    Pensei ir de ferias este ano pra rever a cidade e encontrar amigos que fiz la(praguenses)
    mas desisti…devido a alta das moedas internacionais.
    Bateu ate saudade da comida Tcheca …

    Reply
    1. Paula Augot

      Paty

      Que bom ouvir relatos positivos. Minha experiência foi bem desagradável, sabe? E eu estava muito empolgada para conhecer Praga, e voltei meio triste com isso. Estou com muita vontade de voltar para conhecer outras cidades da República Tcheca, espero ter uma experiência assim boa como a sua! =)

      Reply
  13. Ana karine

    Amei seu artigo, adoro conhecer país através dos brasileiros.
    Estou com os meus pés no chão, pois eu imaginava que a Europa era as mil maravilhas

    Reply
  14. Ingra

    Interessantísimo, Paula! Ser negro e mulher é realmente um desafio. Também me privo de alguns destinos internacionais sozinha, contudo, assim como no Brasil, podemos encontrar racismo em qualquer lugar. A vida segue! Bjs

    Reply
  15. Tatians

    Amei todas essas informacoes.Vou pra Europa pela primeira vez em janeiro de 2019 mas estava preocupada com o pais em que eu farria conexao.Sou uma negra baiana que só viajou para África do Sul e me senti em Salvador com a recepcao do povo sul africano.Vou para Malta e posso fazer conexao em Roma,Frankfurt,Stambul ou ainda Lisboa e Madri(esses dois últimos sempre ouvi falar que tem imjgracoes bem racistas)Agora já posso ter mais ou menos uma nocao.Nao tinha nenhuma informacao sobre Istambu.Foi muito esclarecedor.

    Reply
  16. Soany cruz

    Eu fico chocada que apesar de vc se esforçar para trazer informações importantes e destacar que essa foi a sua Experiência, ainda assim surgem pessoas das trevas dizendo que vc está exagerando ou tentando justificar. Vc deve ter muita paciência, né? Enfim, sinto que vc tenha passado por tudo isso!

    Eu estou tentando organizar minha primeira viagem internacional ano que vem, para Itália. Como foi sua Experiência por lá? E por acaso estarás por lá ano que vem? Haha

    Ótimo blog!

    Reply
    1. Paula Augot

      Soany

      A minha experiência sempre foi boa, só não gosto que eles são meio indiscretos, sabe? Olha, estou indo pra lá em outubro, sem planos pro ano que vem, mas que sabe?

      Reply
  17. Cacau

    Poxa, fiquei triste pela Croácia porque é um país de que gosto muito. Infelizmente sei que é um lugar com uma boa concentração de simpatizantes ao nazismo.

    Reply
  18. Elizabete

    Paula, obrigada pelo seu blog! Continue com ele, pois é muito importante para nós negros termos alguém nos representando. Vou pra Polônia este ano (Wroclaw) visitar um amigo e estou com bastante medo de sofrer racismo.
    Você já foi para essa cidade?

    Reply
  19. Anna

    Olá.. Li aqui neste blog palavras que me incomodaram .. Exemplo,uma moça aqui referiu a ela própria como MULATA TIPO EXPORTAÇÃO.. como assim? que exportação? Quis dizer dos seus antepassados que foram traficados da Africa pra cá? Ou se acha parecida com negras americanas?É brasileira e diz uma coisa dessas! Mulata.. outra palavra desagradável…só para erotizar as negras…
    Outra coisa .. Chamar alguém negro de EXÓTICO! Mas negros não sao bichos,animais das florestas para serem seres exóticos,outra forma de racismo…obrigada boa noite!

    Reply

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

Mais em Cracóvia, Croácia, Estilo de Viagem, Europa, Finlândia, Gdansk, Helsinque, Letônia, Polônia, República Tcheca, Riga, Slides, Varsóvia, Viajando sendo Negra
eastbury manor house
Eastbury Manor House : Mansão Elisabetana perto de Londres

paris do alto
Paris do Alto : Melhores Vistas de Paris

Fechar